Tratamento

Com o tratamento voluntário para homens ou mulheres que sofrem com a dependência química ou alcoolismo podem ter de volta uma qualidade de vida mais saudável, longe das drogas e do álcool.

Tratamento Voluntario

Tratamento Voluntário é direcionado para ajudar aos alcoólatras ou dependentes químicos que precisam de um tratamento de reabilitação de forma espontânea. Quando a dependência das drogas/álcool e vista em um nivel baixo o mesmo consegue de livre espontânea vontade abandonar o vício tomando a iniciativa de buscar um tratamento em uma clinica de reabilitação ou até mesmo destrair a cabeça com coisas novas, atividades fisícas e saudáveis. O álcool e as drogas sempre causam a dependência física e também a psicológica, quando o uso passa a ser ecessivo e derrepente a dependência aumenta enquanto não é interrompido!

Não há como pré-determinar o tempo no qual o depentende ira ficar internado pois ira depender de sua capacidade de escolha ao optar por um tratamento voluntário pois a dependêndia química domina todo o sistema psicológico do dependente. Para o usuário de drogas ou álcool chegar no estágio crônico da dependência, a quantidade e a frequência do uso, o psicológico, emocional, e as influências externas sempre influenciam no aumento do nível da dependêndia. A Clinica Agape tem o tratamento voluntário de forma totalmente profissional e ética a todos os dependentes químicos ou alcoólatras que procuram uma clinica para reabilitação para resgatarem sua qualidade de vida.

Tratamento Involuntário para dependentes químicos

Tratamento involuntário tem que ser feito por profissionais com capacidade de lidar com situações extremas.
Tratamento involuntário (também conhecido como tratamento forçado), no contexto da medicina, refere-se a um tratamento médico realizado sem o consentimento do paciente. Em grande parte dos casos, refere-se ao tratamento psiquiátrico administrado a um indivíduo apesar das objeções deste. Estes são normalmente indivíduos que tenham sido diagnosticados com uma dependência quimíca muita alta, e com seu psicoligico muito afetado pelo uso das drogas e do alcóol.

Tratamento Compulsório

Internamento compulsivo ou tratamento é a prática de utilizar meios ou formas legais como parte de uma lei de saúde mental para internar uma pessoa em um hospital mental, asilo psiquiátrico ou enfermaria contra a sua vontade ou sob os seus protestos.

Muitos, mas nem todos, os países têm leis que regem a internação de saúde mental compulsória. Alguns, como os Estados Unidos da América, exigem uma audiência se o indivíduo é hospitalizado mais que brevemente. Na maioria dos países os agentes policiais, bem como profissionais designados de saúde mental, podem certificar a breve internação de um indivíduo para avaliação psiquiátrica. Se o indivíduo é avaliado como necessitando internação mais prolongada uma decisão judicial deverá ser obtida.

Médicos, psicólogos e psiquiatras apresentam relatórios escritos ao tribunal e, em alguns casos, depoem os parentes perante o juiz. A pessoa que está internada involuntariamente, na maioria das vezes, nos Estados Unidos, tem acesso a um advogado. Existe um compromisso de um limite de tempo, que exige reavaliação em intervalos fixos.

Também é possível a um paciente contestar a internação através de habeas corpus. Um caso famoso ocorreu nos Estados Unidos, numa decisão do Supremo Tribunal em 1975, chamado O’Connor X Donaldson, quando um paciente do Florida State Hospital, Kenneth Donaldson, processou o pessoal do hospital por confiná-lo por quinze anos contra a sua vontade. A decisão significou que é inconstitucional obrigar tratamento para uma pessoa que não seja um perigo para si próprio ou para outras pessoas e é capaz de em um mínimo grau sobreviver por si próprio.